O pentagrama através da História


O símbolo do pentagrama é hoje atribuído á muitos significados profundos, apesar de grande parte disso ser muito recente. No entanto, tem sido utilizada ao longo da história e em muitos contextos:

O uso mais antigo conhecido do pentagrama remonta a cerca de 3500A.C. em Ur dos Caldeus na antiga Mesopotâmia, onde foi simbolo do poder imperial. Entre os Hebreus, o símbolo foi atribuído a Verdade e para os cinco livros do Pentateuco. Às vezes é, erradamente, chamado de Selo de Salomão.

Na Grécia Antiga, foi chamado o Pentalfa, sendo geometricamente composto de cinco Ases. Ao contrário de antigas civilizações, os gregos em geral não atribuiam outros significados simbólicos para as letras do alfabeto, mas certos símbolos tornaram-se conectados com formas de letra grega ou de posições (por exemplo, Gammadion, Alfa-Omega).

Para os gnósticos, o pentagrama era a "estrela em chamas'.

Para os druidas, era um símbolo de Deus.

No Egito, era um símbolo do útero da terra.

Os celtas pagãos atribuíam o pentagrama à deusa Morrigan do submundo.

Os cristãos medievais relacionavam o pentagrama às cinco chagas de Cristo.

O imperador cristão Constantino usou o pentagrama junto com o símbolo de chi-rho em seu selo e amuleto.

Na lenda de Sir Gawain e o Cavaleiro Verde, o pentagrama foi glifo de Sir Gawain, inscrita no ouro em seu escudo, simbolizando os cinco virtudes da cavalaria.

Nos tempos medievais, o "Laço Infinito" era o símbolo da verdade e da proteção contra demônios. Foi utilizado como proteção pessoal e guardião de portas e janelas.

O pentagrama com uma ponta para cima simboliza o verão, com dois pontos para cima, era um sinal para o inverno.

Durante o longo período da Inquisição, o pentagrama foi visto como símbolo de uma cabeça de cabra. Durante a purgação das bruxas, o Deus Chifrudo Pan chegou a ser comparado com o diabo (um conceito cristão) e o pentagrama, pela primeira vez na história se tornou um símbolo do "mal" e foi chamado de Pé da Bruxa ".

No surgimento do hermetismo, o simbolismo gráfico tornou-se muito importante. O conceito de mundo microcósmico do homem como análogo ao macrocosmo, o maior universo de espírito e matéria elementar é uma parte do ensino tradicional oculto em ambas as filosofias ocidentais e orientais.
"Como acima, assim abaixo";
O pentagrama, a estrela "do Microcosmo ', simbolizado homem dentro do microcosmo, representando em analogia ao universo macrocósmico.

O pentagrama vertical tem algumas semelhanças com a forma do homem com as pernas e os braços estendidos, na verdade uma ilustração atribuído a Agripa ou Tycho Brae (1582) ilustra a semelhança de proporção na imagem, mostrando os cinco planetas e a Lua no centro ponto - a genitália.

Existem outras ilustrações do período por Robert Fludd e Leonardo da Vinci, mostrando as relações geométricas do Homem com o universo.Depois, o pentagrama veio simbolizar a relação da cabeça para os quatro membros e consequentemente da pura essência concentrada de qualquer coisa (ou o espírito) para os quatro elementos tradicionais da matéria.

Na Maçonaria, o homem microcósmico era associado com o Selo de cinco pontas de Salomão. O símbolo era usado entrelaçado e perpendicular ao trono do mestre da Loja. As propriedades e estruturas geométricas do "Laço Infinito" foram simbolicamente incorporadas aos 72 graus do compasso.

Nenhuma ilustração gráfica de qualquer associação do pentagrama com o mal aparece, até o século XIX. Eliphas Levi ilustra o pentagrama vertical do homem microcósmico ao lado de um pentagrama invertido com a cabeça do bode de Bafomé.

No ritual de magia o sinal tem sido muito utilizado como um ritual de embelezamento para simbolizar o athame invocando ou banindo no que diz respeito às associações elementares.

Em 1940, Gerald Gardner adotou o pentagrama com dois pontos para cima, como o sigilo de início de segundo grau no recém-emergente, rituais neo-pagãos de feitiçaria, que viria a ser conhecida como Wicca. O pentagrama de um ponto para cima junto com o triângulo na vertical simbolizava terceiros.

O pentagrama também foi inscrito no "altar pentacle", ele aponta que simbolizam os três aspectos da deusa mais os dois aspectos do Deus. Foi até final dos anos 1960 que o pentagrama voltou a ser um amuleto para ser usado e desde então tem se firmado como um quadro neo-pagão e símbolo wicca, adquirindo muitos aspectos do misticismo e associações que hoje são muitas vezes consideradas antigos folclores! No entanto, a potência de um símbolo tem mais a ver com as suas associações e sua semelhança com a sua antiguidade e hoje o pentagrama é onipresente entre os neo-pagãos.
Reações:

0 comentários: