A roda do ano Wicca


Uma das primeiras observações de nossos ancestrais foi a passagem dos ciclos naturais, as mudanças das estações que, inegavelmente estavam ligadas à sobrevivência dos clãs. Com a observação das alterações naturais, dos ciclos lunares e posteriormente das épocas de plantio e colheita, surgiu na mente dos povos antigos a idéia de comemorar essas mudanças no sentido de preservá-las e garantir a sua continuidade.Não podemos nos esquecer que tanto a Natureza quanto o Homem estão intimamente ligados e que para o paganismo não existe separação entre eles. Celebrar os ciclos naturais não era apenas um modo de mostrar gratidão pelas dádivas recebidas, mas um modo de, magicamente, fazer e assegurar com que o poder dos Deuses continuasse fluindo por sobre o mundo. Na nossa visão pagã, o rito assegura a continuação do processo natural, o que é totalmente diferente do pensamento religioso ocidental judaico-cristão, no qual o Homem é impotente diante das forças naturais e divinas.Esses ritos de passagem e transição são marcados na Wicca pela Roda do Ano, os oitos festivais sazonais, divididos em Sabás Maiores e Sabás Menores. Os Sabás Maiores comemoram a passagem do ano celta e são mais recentes. Os Sabás Menores comemoram os solstícios e equinócios e remontam a épocas muito recuadas no tempo.Todo o mito da Roda do Ano está focalizado nas figuras da Deusa e do deus, que representam a essência do ciclo da Natureza. A Deusa é a própria Terra, mãe de todas as dádivas naturais. O Deus é a Manifestação do Sol que fecunda a Terra.Quando falamos de Roda do Ano, nos vêm à mente uns perenes movimentos cíclicos de nascimento, crescimentos, morte e renascimento. Em outras palavras, crescimento e declínio, seguido de novo crescimento.Para compreendermos as marés cíclicas do ano, comecemos a observar a Roda a partir da época de crescimento. Assim, os oitos sabás são: Yule, Imbolc, Ostara, Beltaine, Litha, Lammas, Mabon e Samhain.
Yule comemora a noite mais longa do ano e é um Sabá de renascimento.Acontecem no Solstício de Inverno, o auge do inverno e conseqüentemente o início do período de crescimento. É em Yule que a Deusa dá nascimento ao Deus, o início do ciclo vital onde a terra começa a sair da longa noite de recolhimento invernal. A Deusa torna-se novamente uma criança junto com o Deus. Ela perde a característica da Mãe e assume a fragilidade tenra de tudo o que é novo.Em Imbolc, o Sol finalmente se mostra e os primeiros raios de Sol mal começam a aquecer a terra. No hemisfério norte, o gelo começa a derreter, descobrindo a terra após um longo período de desolação.Em seguida aproxima-se a primavera (Ostara) e o Sol torna-se mais forte, sendo visto por mais tempo no céu. Surgem as novas flores e a fertilidade da terra torna-se visível. A Deusa e o Deus são adolescentes, e seu impulso sexual trará a paixão, o amor e a continuação da natureza. Época do plantio e de cultivar os campos.A Roda gira e quando o verão se aproxima (Beltaine), as sementes estão germinando. A Deusa e o Deus estão prontos para se unirem e seu casamento é consumado.Em Litha, no auge do verão, tanto o Deus quanto a Deusa estão na plenitude da sua força. A Deusa guarda no seu ventre a criança divina, preparando-se para tornar-se mãe.O ocaso se segue ao apogeu. O outono se aproxima e em Lammas as primeiras colheitas são realizadas. Os dias tornam-se mais curtos e com as colheitas os frutos do ventre da Deusa são distribuídos. O Deus torna-se aos poucos cada vez mais velho, e à medida que sua sabedoria cresce seu vigor decresce.Em Mabon o outono chega por fim, prenúncio do inverno e das derradeiras colheitas. O calor do Sol diminui e os frutos da sobrevivência serão armazenados para a longa noite. À medida que a escuridão aumenta, a criança no ventre da Deusa é o próprio Deus, que ali cresce enquanto sua força diminui sobre o mundo. Esse é o grande mistério na Wicca, que assegura a manutenção do eterno ciclo de Vida, Morte e Renascimento.Samhain abre as portas para o inverno e a Deusa, cada vez mais fraca, recolhe-se para dar à luz a Criança da Promessa. O Deus morre e as trevas caem por sobre o mundo. Assim, da mais profunda escuridão nascerá à nova luz que trará um novo recomeço.Yule retorna e a Deusa dá à luz ao Deus, aquele que futuramente será seu consorte e que novamente engendrará a si próprio.
Este é o grande Mistério iniciático na Wicca.
Reações:
This entry was posted in

4 comentários:

Letty disse...

Ola eu gostaria de saber se poderia me enviar os rituais que devem ser feitos em celebração de cada um dos eventos da roda do ano?
Agradeço desde já.

Anônimo disse...

Olá.
Sou ainda uma wicca cinzenta, mas posso dizer qu eistem diversos sites que disponibilizam calendarios,mas aconselho a vc que procure o significado de cada um dos sabats e esbats e procure como celebrar....mas,é melhor criar seus próprios rituais afinal cada bruxo tem seu feitiço!

Anônimo disse...

Souu de uma familia de bruxas so que elas mantem segredos nao me contam nd queria saber se tambem sou bruxa por conta dos laços de sangue?

Yago Fanka disse...

Hai depende se você quer ser bruxa será se não quiser não cera você vai ser o q você quiser e não por sangue.